Poética do amor bandido

Amor Fora da Lei (Ain’t Them
Bodies Saints, EUA, 2013)
Dir:
David Lowery 
Filme que
causou certa sensação no Festival de Sundance em 2013, Amor Fora da Lei segue o padrão básico da produção indie com histórias pessoais de gente
machucada, filmada de forma naturalista, câmera levemente trêmula e com certo ar
de peninha. É uma fórmula já desgastada, que vez ou outra encontra um elemento
que faz variar um pouco a equação.
Neste caso
aqui, até que se ensaia um desses elementos, muito embora o resultado seja ainda um
filme arrastado e mesmo genérico em termos de produção independente. O diretor
e roteirista David Lowery utiliza a ambientação do western e do filme policial para tratar, no fundo, de uma história
de amor entre um pequeno bandido e uma moça bonita que se sujeita a uma vida de
fugas e fora dos padrões sociais.
Casey
Affleck vive esse homem de fala mansa, olhar carinhoso, mas que guarda o gosto
pelo perigo e o destemor à lei dos homens. Vive de pequenos roubos e vai ser
preso numa emboscada em que ele, a amada e seu bando são acuados pela polícia. Ele vai para a cadeia. Enquanto isso, Ruth, personagem de Rooney Mara, vive à
espera do retorno do príncipe, grávida e sozinha. Depois de quatro anos, perto
de seu julgamento, ele consegue fugir.
As
coisas complicam-se com a entrada em cena do policial Patrick (Ben Foster), sua
queda por Ruth estampada no rosto tímido, responsável também pela busca ao foragido. A protagonista, então, vê-se cada vez mais dividida, caos e ordem
surgindo como saídas possíveis.
Com tom melancólico,
o filme busca uma iluminação natural que dê conta da paisagem árida e bucólica
do Texas interiorano dos anos 1970. Os próprios personagens movimentam-se com
certa vagarosidade, refletindo sobre sua condição, tentando achar o caminho
certo entre a lei e a paixão. 

É nesse ponto que o filme mais parece estagnado do que
necessariamente introspectivo, investindo em pequenos conflitos que pouco
ajudam no todo, soam desinteressantes. Mas o que vale aqui é essa poética do
amor bandido, colocando seus personagens presos a destinos incertos, cheios de
armadilhas, perigosos, ainda que pareça pulsar um amor verdadeiro, uma bonita carga
afetiva, entre eles. Nada de muito novo, nem mesmo uma história assim apaixonante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos