Cine Ceará – Parte VI

Últimos Dias em Havana
(Últimos Días en la Habana, Cuba/Espanha, 2017)
Dir: Fernando Pérez

Último filme a participar da mostra competitiva do Cine Ceará, Últimos Dias em Havana, do veterano cineasta Fernando Pérez, reverbera discussões muito próximas às de Santa e Andrés, ambientadas agora no tempo atual. Estão lá, mais uma vez, como algo muito caro aos cineastas cubanos, questões como a validade ou não de abandonar a ilha e o estilo de vida que o sistema político vigente impõe aos cidadãos. E tal como no filme anterior, há um embate um tanto quanto contraposto entre os dois protagonistas do filme que vivem sobre o mesmo teto, numa casa no bairro Centro Habana.

Diego (Jorge Martínez) é um homem solitário que vive prostrado numa cama por conta das complicações com a AIDS. Quem lhe assiste é o introspectivo Miguel (Patricio Wood) que não vê a hora de conseguir o visto para o Estados Unidos e deixar a ilha de vez. Sonha acordado com a possibilidade de refazer a vida em um país capitalista. Diego, por sua vez, se opõe e mesmo passando dificuldades, defende a vida e a permanência no lugar.

Olhando de perto, essa dita contraposição vai se revelar falsa no decorrer do filme porque, no fundo, Diego não quer mesmo é pensar na possibilidade de viver sem o amigo ao lado, solitário que é (são), ainda que mantenha com ele um relacionamento de amor e ódio. Não passa pela sua consciência política – pelo menos não explicitamente – defender o sistema sociopolítico da Cuba atual por questões morais particulares, mas antes encontrar ali um apego capaz de confrontar as ideias do amigo que ir para longe.

É muito através do olhar de Miguel que o filme nos faz ver um retrato muito cru sobre as durezas e pequenas alegrias da cultura e dos modos de vida cubanos, colocando em xeque as posições antagônicas sobre a validade de seguir morando na ilha, com todos os problemas e restrições que fazem parte do cotidiano local. O roteiro, no entanto, não apela para o tom dramático, preferindo apostar na leveza e no bom-humor, apresentando uma série de outros personagens que cruzam o caminho dos dois, cada qual lidando de modo diverso com os planos de futuro. O michê que Diego insiste que Miguel traga para ele se torna um improvável amigo e confidente, e que revela, por trás do estereótipo, alguém que também pensa em como melhorar de vida, sem precisar sair de Cuba.

Não bastasse a verve irreverente de Diego, homossexual assumido, cheio de disposição, falastrão de língua afiada – mais um contraponto em relação ao taciturno Miguel – outros personagens vão se somar a esse núcleo. Morando numa espécie de prédio com várias casas vizinhas por andar, o filme constrói uma rede de (poucas) amizades ao redor deles – e de onde surgem algumas desavenças também, ninguém é de ferro –, o que alarga as possibilidades de discussão da rotina do povo cubano humilde. A chegada da sobrinha de Diego, mais tagarela ainda que o tio, desencadeia outras discussões, como a maternidade precoce, mas também descamba nas perspectivas de futuro dela e do jovem namorado, também eles com posições diferentes sobre a permanência em Cuba.

A agenda do filme coloca claramente em pauta a relação desses personagens com o regime político da ilha e os dilemas morais e ideológicos que envolvem a vida no país. Mas segue além da mera disputa de opiniões, preferindo encontrar nesses encontros e nas pequenas batalhas diárias modos de ver a situação sem apelar para polarizações fáceis e caricatas. Fernando Pérez é certamente hoje o mais proeminente dos cineastas cubanos em atividade. Esse tom geral ganha enorme fluidez nas suas mãos, o que faz de Últimos Dias em Havana um belo filme duro e divertido, agridoce em essência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos