Sangue e sensibilidade

Deixa Ela Entrar (Låt Den Rätte Komma In, Suécia, 2008)
Dir: Tomas Alfredson

À primeira vista, é bastante fácil identificar Deixa Ela Entrar como um filme de suspense com vampiros. Mas aqui, a incursão do fantástico serve muito mais como um aliado para falar sobre aceitação de diferenças e ainda como uma crônica da perda da inocência precoce do jovem Oskar (Kåre Hedebrant) que se apaixona por sua vizinha, a misteriosa Eli (Lina Leandersson). Mas logo ele descobrirá que ela é uma vampira.

Assim, o filme pouco se pretende em desvendar os artifícios que envolve o comportamento dos vampiros, muito menos em causar suspense no espectador, embora alguns momentos sejam assustadores, como o sacrifício de um personagem na janela ou o corpo em chamas no hospital.

O que mais chama atenção no filme é como o diretor sueco confere enorme sutileza tanto na aproximação dos dois personagens, com suas dúvidas, incertezas e inseguranças, quanto na construção de cada plano do filme. Tudo é filmado com muito cuidado estético em uma narrativa que não possui pressa nem o risco de atropelar sua história. A placidez do filme ganha grande reforço com um trabalho de som dos mais primorosos e interessantes.

Ao mesmo tempo, toda essa sutileza vem acompanhada por uma atmosfera de perigo constante, porque, apesar do tom melancólico, a narrativa não reserva concessões para os personagens, muito na tentativa de revelar um mundo hostil e cruel. Para tanto, Oskar vai ter de aprender a enfrentar os riscos que lhe surgem no caminho e também a fazer escolhas arriscadas (o final é exemplar e bastante corajoso nesse sentido).

Além disso, Deixa Ela Entrar é um sopro de renovação no gênero de vampiros, o tipo de filme que muitas pessoas precisariam ver para perceber que seres de dentes afiados e chupadores de sangue podem muito bem ser usados com propósitos mais artísticos.

A relação entre os personagens é criada com a habitual inocência do mundo infantil, muito embora o senso de perigo esteja presente a todo instante e acaba por representar um brutal rito de passagem para o personagem. Ao mesmo tempo em que precisa lidar com o diferente, Oskar passa a encarar o mundo e suas crueldades, sem que o filme carregue no tom lição-de-moral. Muito pelo contrário, a sutil direção de Tomas Alfredson garante um dos filmes mais sinceros e estranhamente belos do ano.

6 thoughts on “Sangue e sensibilidade

  1. Vixe Johnny, veja mesmo, não deixe a oportunidade passar.

    Beleza Gustavo.

    De fato, Wallace, bem sueco mesmo, com aquela melancolia dolorosa, muito embora o filme tem muito de crueldade disfarçada. Uma pena que poicas pessoas tiveram acesso.

Deixe uma resposta para Wallace Andrioli Guedes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos