Segredos entre o céu e a terra

Sob o Mesmo Céu (Aloha, EUA, 2015)
Dir: Cameron Crowe

O flerte de Cameron Crowe com a comédia ou o drama romântico geralmente rende bons frutos (há algo de singelo em Tudo Acontece em Elizabethtown e certas fagulhas românticas em Quase Famosos). O maior problema de Sob o Mesmo Céu é que parecem coexistir muitos filmes aqui, sendo o envolvimento amoroso conturbado de seus personagens o mais interessante deles, muitas vezes deixado de lado para se concentrar em outras frentes.

O filme investe em discussões como o direito de terra dos nativos do Havaí, a exploração do céu e do espaço sideral via militarismo da superpotência norte-americana, com direito a lançamento escuso de sonda espacial suspeita. São questões que trariam ao filme certa importância social e política, mas têm um tratamento tão rápido e mesmo confuso que o longa mais derrapa em promover esse tipo de relevância.

Parece uma tentativa de não soar óbvio, de não seguir um padrão que caia na armadilha fácil de um subgênero tão desgastado como o que envolve uma espécie de quarteto amoroso. Brian (Bradley Cooper) é um militar bem-sucedido que retorna ao seu posto no Havaí e reencontra Tracy (Rachel McAdams), sua antiga paixão agora casada e mãe de duas filhas. Ao mesmo tempo conhece e se envolve com a colega de farda super esforçada Allison Ng (Emma Stone).

Há algo incomum na maneira como Crowe, também roteirista aqui, escreve e apresenta os diálogos. No primeiro encontro dos personagens o texto soa confuso, meio desordenado, enquanto a câmera faz um travelling circular estranho em volta dos atores. Parece que a história vai desandar total nos minutos seguintes, o que fica só na impressão.

Apesar disso, há uma estranheza no ar que não deixa de conter mais uma vez um vontade de fazer diferente, embora embaralhe todas as situações num texto por vezes apressado. É pior quando investe numa trama de conspiração e tons políticos, envolvendo diretamente Brian, muito embora não pareça levá-la tão a sério porque seus desdobramentos não sugerem consequências drásticas.

Dessa forma, os conflitos amorosos latentes ali naqueles personagens ganham tratamento de escanteio. O filme deixa para o final momentos mais emocionantes, como o segredo que Tracy carrega, e também mais engraçados, como a interação muda entre Brian e o marido de sua antiga paixão. Sob o Mesmo Céu consegue se livrar do desastre que poderia ser, mas sem imprimir uma marca consistente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos