Festival Varilux de Cinema Francês – Parte VII

Americano (Idem, França,
2011)
Dir:
Mathieu Demy

Mathieu
Demy é filho dos grandes diretores Jacques Demy e Agnès Varda. Ou seja, tem
exemplos muito bons dentro de casa. Então o que explica essa bomba que é seu
primeiro longa-metragem? Americano
parece um filme todo errado, mal escrito e sem sutileza, levando seu protagonista
(interpretado pelo próprio Demy) por caminhos sem consistência na forma como
molda suas atitudes impensadas e de rompante, que parecem depor contra a
vontade de não se ligar àquela sua história enterrada no passado.
O
longa começa com o personagem recebendo a notícia da morte da mãe que vivia em
Los Angeles, cidade onde ele mesmo nasceu, mas que deixou depois que
seu pai francês o retirou da guarda da mãe irresponsável para levá-lo de volta para a
França. Depois da ligação, ele desmaia e, no chão, a câmera fecha o plano no braço do
rapaz que leva uma tatuagem escrita “Americano”. Seria uma forma interessante de introduzir
o título do longa, mas não cola justamente porque o personagem quer se afastar totalmente
de sua ligação com a mãe e com a América (logo no início do filme, ele faz
questão de afirmar que é francês, apesar da dupla cidadania) e não faz sentido aquele nome ali, tatuado.
É
esse tipo de inconsistência que o filme tem o descuidado de inserir na
narrativa. Daí que é muito difícil entender o que leva o protagonista, estando em Los Angeles para tratar da morte da mãe, a remexer
o passada dela e partindo na busca da prostituta
Lola (Salma Hayek), uma antiga amiga da mãe para quem ela deixou seus bens. Porque
não parece haver nenhum tipo curiosidade ou envolvimento desperto dele com toda
aquela história passada. Mas o filme insiste em levá-lo por caminhos que vão se
tornando cada vez mais tortuosos e problemáticos.
Intercalado
por cenas do filme Documenteur,
dirigido por Varda com o pequeno Demy interpretando um garoto que esta com a mãe em Los Angeles, em 1981, esse
parece ser o único lampejo de interesse no longa – o fio de autobiografia -, mas que se perde pelo fiasco
do todo. O filme se apega ao velho clichê do retorno do filho pródigo, porém só consegue meter os pés pelas mãos com um roteiro falho e cheio de pequenos detalhes fora
de lugar. Parece um filme egocêntrico de um diretor sem talento, coisa que ele
poderia ter herdado muito bem de ambos os lados de sua linhagem.
Adeus, Berthe ou
O Enterro da Vovó

(Adieu, Berthe – L’Enterrement de Mémé, França, 2011)
Dir:
Bruno Podalydès
Apesar
do título, Adeus, Berthe não é sobre
a avó que morre de repente na história. Na verdade, ela nunca aparece no filme
e pouco se discute sobre sua vida (embora haja uma bela cena em que os
personagens leem as cartas de amor que ela trocou com um homem em sua
juventude). O foco aqui é Armand (Denis
Podalydès, irmão do diretor do filme, ambos roteiristas da história). Ele é um farmacêutico
que vive e trabalha com a esposa Hélène (Isabelle Candelier), mas divide sua vida com a amante Alix (Valérie Lemercier), com quem ensaia
truques de mágica para apresentar em festas infantis.
É
com esse jogo duplo que Adeus, Berthe lida o tempo todo, através de traços de
comédia banal, despretensiosa, que nem sempre rende boas gargalhadas, mas pelo
menos diverte pelos tipos e situações que apresenta. Bons momentos são a visita
ao cemitério com o encontro com uma viúva aos prantos, ou a visita à funerária
de última geração. As aparições do pai mentalmente desequilibrado de Armand (numa
curta participação do ótimo Pierre Arditi) rende também situações engraçadas.
Em
nenhum momento o filme revela moralismo ou julga os descaminhos do atrapalhado Armand.
Não existe também um fio narrativo certeiro já que entre os preparativos do
enterro da avó, Armand tenta lidar da melhor forma possível com suas duas “famílias”,
e o final aponta para um caminho dos mais interessantes e sem traumas. No
fundo, o filme tem um carinho especial por todos os seus personagens, por mais
falhos que sejam, e daí vem sua graça e simpatia.
Aliyah (Idem,
França/Israel, 2011)
Dir:
Élie Wajeman

Último
filme visto nesse Festival Varilux de Cinema Francês, Aliyah é uma grata surpresa, mais uma vez expondo o caldo cultural
que a França se tornou, especialmente para judeus. Mas a pretensão de Alex (Pio
Marmaï) é de um caminho oposto: ele deseja deixar a França e se estabelecer em Israel para lá
conseguir um trabalho digno. Mas veja, não é uma vontade de estar no país, ele
está mais interessado em sair daquele lugar e se ver útil e livre de problemas.
Se
Israel nos surge como um lugar de perigo bélico iminente (“ninguém que ir para
lá”, diz certa personagem), para Alex pode ser uma grande oportunidade depois
que seu primo lhe conta os planos de abrir um restaurante lá, ao que ele logo se
prontifica a entrar como sócio. Isso porque sua vida na França tem lá seus
percalços. Para sobreviver, ele trafica drogas na cidade e ainda precisa lidar com
o irmão mais velho e viciado sempre a lhe pedir dinheiro e atrapalhar sua vida.
Parece uma existência sem futuro.
Mas
Alex não tem dinheiro nem sabe falar muita coisa de hebraico e pouco conhece as
tradições judaicas que estão na raiz de sua família. É o esforço de
adentrar nessa cultura e levantar grana (mesmo que com a venda das drogas) que
faz o personagem crescer como pulsão do próprio filme. Às vezes parece ingênuo
na sua investida incomum, mas o filme nunca julga seu personagem, acompanha com
interesse seus desacertos e pequenas alegrias (como o envolvimento com uma bela
moça) e nos faz torcer pelo seu sucesso.
O
tremor da câmera na mão aqui é ideal para caracterizar essa trajetória repleta
de possibilidades de falhas (e elas irão suceder na segunda metade do filme,
inevitavelmente), com Alex andando a todo tempo na corda bamba. Mas ele se
mantém sempre fiel a esse seu desejo, está lutando por sua própria
realização, por mais simples e sem grandes ambições que sejam seus planos. Aliyah, acima de tudo, é um filme que
acredita (e nos faz acreditar) na força do querer. 

2 thoughts on “Festival Varilux de Cinema Francês – Parte VII

  1. No ano passado, perdi esse festival. Neste ano, estava viajando e perdi novamente. Espero, apesar de saber que é difícil, que estes filmes tenham espaço novamente no mercado cinematográfico brasileiro. Parabéns pela cobertura e pelos textos.

  2. Kamila, o festival cresceu este ano, teve muita coisa legal. Intocáveis entra em cartaz normalmente nesse próximo final de semana. Sei que Polissia, Uma Garrafa no Mar de Gaza e O Monge, também chegarão no circuito comercial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos