Festival de Brasília – Parte III

Vazante (Idem, Brasil, 2017)
Dir: Daniela Thomas

Vazante, de Daniela Thomas, passou pela competição do Festival de Brasília e causou alvoroço ao retratar uma história colonial que intensifica a discussão sobre a representação de negros e escravos no cinema – algo que também pode ser pensado junto a Diários de Classe, de Maria Carolina Silva e Igor Souza, apresentado na mostra Esses Corpos Indóceis, como consequência social contemporânea do violento processo de escravidão que marca a história de formação do Brasil.

Na trama, Antônio (Adriano Carvalho) é um tropeiro que mora na região de Diamantina, início do século XIX, quando a exploração de diamante e ouro encontrava-se já em decadência na região. Ao chegar de viagem, descobre que sua esposa grávida morreu no parto junto com o bebê. Ele busca, então, outra esposa naquele núcleo familiar para não perder os laços que se formariam ali. E essa busca acaba envolvendo, afetuosa e sexualmente, também os escravos explorados naquele ambiente, de modos distintos e indiretos.

Em certo sentido essa trama remete a uma novelinha de reviravoltas e pequenas surpresas – que explodem mais no final, é verdade – e que expõem os anseios de uma gama de personagens, especialmente pela garantia de uma posição de status frente ao declínio econômico naquele momento histórico. Há as garotas mais jovens que miram no casamento como modo de conquista de um lugar de privilégios enquanto Antônio busca constituir uma família e propagar seu sangue e nome. O filme caminha para o entrelaçamento de destinos com as cores trágicas de uma sociedade fundada através da violência, da sujeição e do poder controlador do patriarcado. Mas é certo também que Daniela Thomas tem um olhar muito cauteloso para a composição de cenas e para a percepção de um tempo depurado na cadência daquela época, o que eleva esse enredo de tramas cruzadas. É sensível a maneira gradual como as situações tomam corpo e caminham para um desfecho que tem a pretensão de dizer algo sobre a constituição do povo brasileiro.

Curiosamente Vazante faz um paralelo muito rico com outro filme recente ambientado na mesma época histórica: Joaquim, de Marcelo Gomes, já lançado nos cinemas brasileiros. No filme de Gomes, o retrato que se faz é da constituição dos podres poderes políticos que formaram as instituições públicas brasileiras e suas marcas de dominação e corrupção. Já o filme de Thomas reconstrói toda essa atmosfera sociopolítica para, de modo representativo, alcançar um princípio chave de formação da identidade brasileira que é a mistura de raças.

O ponto maior de discussão que aplacou os ânimos do público em Brasília foi a maneira ainda distante e pouco subjetivada e nuançada com que os personagens negros foram retratados. Por outro lado, a diretora defende que o longa parte justamente do sistema patriarcal – portanto do ponto de vista dos senhores da casa grande – para revelar as relações de poder e hierarquia tão presentes à época. Mais uma vez os escravos são personagens secundários, reflexo de um olhar ainda dominado pelos cânones usuais de quem teve o privilégio de escrever e contar a (H)história. Há de se discutir os detalhes de representação da cultura negra trazida pelos escravos africanos e de como isso é posto na narrativa, mas vale lembrar também que o filme opera a partir de um entendimento consciente desse lugar de exposição que parte de outro princípio e de outro ponto de vista. Ser pouco subjetivo não significa necessariamente ser equivocado ou desrespeitoso, mas parcial. E, no fundo, tal escolha – que pode ser mesmo instintiva – serve muito bem àquilo que o filme quer oferecer como reflexão e entendimento da formação de um povo.

Vazante faz ainda um belo e caprichado retrato da época colonial – e vale lembrar toda a trajetória anterior de Thomas como diretora de arte. O filme é muito vistoso e detalhado nesse sentido, e a bela fotografia em preto-e-branco só reforça um sentimento de decadência que se mistura à falência de uma tentativa de imposição social sobre circunstâncias de realidade que fogem a um controle dos que dominam o poder. Mas mais do que somente construir uma atmosfera, o filme busca investigar certa gênese social capaz de explicar tanta coisa do Brasil de hoje, com suas mazelas e desigualdades expostas, e isso é uma sempre bem-vinda qualidade dos bons filmes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos